postado em: 05/10/20 as 11:30, atualizado em: 05/10/20


Instalação de energia solar na sede social deve reduzir em até 90% no consumo


A partir de novembro, a sede social da Ameron deve começar a gerar energia elétrica para a rede de distribuição da Energisa, empresa responsável no Estado de Rondônia. Isso vai se tornar possível a partir das instalações das placas de energia solar no salão de eventos. A capacidade de geração será suficiente para o consumo de energia integral da sede, fazendo com que a conta de energia atual que gira em torno de 6 mil reais mensais caia para até 300 reais.

Os painéis solares estarão conectados à rede da Energisa beneficiando a Ameron através de um sistema de crédito e débito, em relação a energia gerada pelos painéis e o consumo em horários em que não há incidência de raios solares. “Então não teremos nenhum tipo de armazenamento nesse gerador solar, a energia é gerada nos painéis e vai passar por um equipamento chamado inversor que a ajusta de modo que possa ser injetada na rede. Esse inversor vai transformar a corrente elétrica dos painéis solares na mesma corrente que abastece a sede, ao mesmo tempo em que será compartilhada com a Energisa”, explica o Engenheiro Rennan Salgado, gerente comercial da Brasolare, empresa responsável pela instalação.

A potência do sistema instalado é de 75,2 kWp (quilowatts pico), o que representa uma estimativa de geração 8.090 kWh mensais. A estimativa de geração anual do sistema da Ameron deve girar em torno de 97.080 kWh, com algumas variações de um mês para o outro devido a diferença de radiação durante o ano, suficiente para abater o consumo de energia integral da sede.“É claro que se tiver algum mês atípico, por exemplo, com muitos eventos e acabar sendo consumido mais do que os 8 mil kWh previstos, a conta vai exceder a geração solar. Ou seja, se a sede consumir 9 mil kWh e gerou 8 mil kWh, estes 1.000 kWh consumidos a mais, constarão na conta de energia”, reforça Rennan. Portanto, em condições de normalidade, a Ameron deve arcar apenas com a tarifa de disponibilidade de energia e a contribuição de iluminação pública, taxas que variam de 220 reais até 300.

Os técnicos responsáveis pela instalação das placas de energia solar fizeram o levantamento ao observar o histórico anual do consumo de energia durante os anos de 2019 e 2020. A instalação do gerador fotovoltaico para a geração de energia solar teve início no dia 19 de agosto e praticamente já está concluída, inclusive com vistoria pela concessionária. Posteriormente o sistema será a rede de energia com a homologação da Energisa através da adequação do relógio medidor de consumo. A previsão para que o sistema da Ameron esteja injetando energia na rede é para outubro, quando o sistema estará funcionando e conectado à rede. No entanto, apenas em novembro é que as faturas apresentarão os resultados da geração de energia conectada.

De acordo com a empresa responsável pela instalação a previsão é de que o sistema traga rentabilidade em 3 anos e meio, ou seja, o preço da energia que pagaria pelo sistema convencional está no benefício que terá pela energia solar e após esse período é que haverá o retorno do investimento.

Para tornar possível a instalação da energia solar na Ameron foi necessária a elaboração de um projeto que foi aprovado pela Energisa.

Os serviços são executados pela Brasolare, empresa representante da indústria brasileira Balfar Solar, no Estado de Rondônia. A empresa faz parte do Grupo Bingool que está presente há dezesseis anos em Porto Velho, e opera no ramo de energia solar desde 2017 com quase 400 projetos em funcionamento nos Estados do Pará e em Rondônia.

Fonte: Assessoria de Comunicação - Ameron

comments powered by Disqus