postado em: 18/08/19 as 10:30, atualizado em: 18/08/19


Estudantes do Colégio Tiradentes são apresentados ao Fórum Criminal de Porto Velho



Na manhã desta quinta-feira (15), os alunos da Escola Tiradentes conheceram as instalações do Fórum Criminal de Porto Velho e acompanharam as audiências da 3ª Vara Criminal presidida pelo juiz Franklin Vieira dos Santos. Em seguida simularam um julgamento no Tribunal do Júri, com orientações do juiz Gleucival Zeed Estevão e da diretora de Comunicação Social da Ameron, juíza Euma Mendonça Tourinho. As ações fazem parte do Projeto da cartilha "Justiça e Cidadania na Escola". A proposta consiste em levar os conhecimentos acerca do trabalho desempenhado pelos magistrados aos alunos do ensino médio das escolas estaduais, aprendem os fundamentos do sistema Judiciário e participam do concurso de redação trazendo a temática “Justiça e Cidadania também se aprendem na escola: meu conhecimento faz justiça”.

Antes de começar as atividades, o juiz Gleucival Zeed Estevão, recepcionou os estudantes, contou sobre a trajetória percorrida até se tornar magistrado e explicou como funcionam os trâmites processuais na Justiça Criminal. Em seguida, a diretora de comunicação social da Ameron, Euma Mendonça Tourinho, contou sobre a história de sucesso de mulheres que dedicaram anos de suas vidas aos estudos para conseguir a aprovação em concurso público na carreira da magistratura.


Para a diretora de Comunicação Social da Ameron, Euma Mendonça Tourinho, poder compartilhar experiências no sentido de despertar o interesse nas crianças pelo estudo do Direito é uma das recompensas que a magistratura proporciona. “Expliquei sobre o difícil concurso da magistratura, onde cerca de 0,5% dos inscritos são aprovados, mas que o duro caminho para aprovação significará trabalhar numa das profissões mais honradas e gratificantes da área do Direito. Fiquei muito feliz ao ver que os alunos se mostraram muito interessados, podendo seguir a carreira jurídica”, avalia.


Na 3ª Vara Criminal, os alunos acompanharam os trabalhos conduzidos pelo juiz Franklin Vieira dos Santos que, igualmente, fez explicações sobre o procedimento criminal. O caso mencionado anteriormente foi dramatizado pelos estudantes. Larissa Belfort de 15 anos, vestiu a toga e comandou a sessão de julgamento. Para a aluna do 1º ano do Ensino Médio ser juiz exige habilidade e perspicácia. “É muito difícil ser juiz. Para mim foi uma experiência incrível, apesar do meu nervosismo. É uma responsabilidade muito grande, mas saio daqui com aprendizado de que nós realmente devemos observar os fatos. Não devemos acusar ou declarar alguém inocente sem ouvir os depoimentos até termos certeza para tomar uma decisão”, revela a menina que “se tornou” juíza por um dia.


Gleiciane dos Santos de Cristo, 16 anos, assumiu o papel de interpretar o promotor de justiça. A estudante tem se preparado para participar do concurso de Redação do projeto Justiça e Cidadania e ter acompanhado as audiências deve facilitar no desenvolvimento do conteúdo a ser redigido. “Foi uma experiência muito boa e o teatro foi inspirador. Com as audiências nós vamos ter uma base do que colocar na nossa redação, acrescentando as experiências do que ouvimos nas palestras”, conta a estudante.

A professora de Língua Portuguesa do Colégio Tiradentes, Eliandra Oliveira, afirma que tem mobilizado os estudantes a participarem do concurso de redação, motivando os alunos com as palestras de juízes na instituição e a realização de simulação de julgamentos. “No bimestre passado fizemos o julgamento da Capitu, inspirado no livro Dom Casmurro escrito por Machado de Assis. Nós simulamos o Júri lá na sala de aula, inclusive providenciamos uma toga para fazer essa dramatização. A linguagem foi adaptada como se fosse um Júri, mas claro sem esse conhecimento tão profundo que os magistrados possuem, entretanto, nós pesquisamos as informações na internet. Não é só um aprendizado para os alunos, como também para mim que sou professora e que não conhecia esse ambiente de fóruns e julgamentos”, destaca a docente encantada com a recepção dos magistrados.


O juiz Gleucival Zeed Estevão sintetiza o que representou essa experiência compartilhada com os estudantes. Foi possível passar a eles um pouco da rotina do juiz criminal, da importância do estudo na vida do cidadão e, principalmente, que o juiz vem da comunidade que os próprios alunos integram. Na ocasião foi possível simular uma audiência, explicar como funciona o julgamento no plenário do tribunal do júri e, ainda, acompanhar uma audiência de instrução e uma audiência de custódia. Com toda a segurança, os alunos também conheceram a carceragem, onde os presos ficam aguardando as audiências. Foi possível perceber nos olhos dos estudantes a curiosidade e a satisfação em saber que o juiz é um cidadão comum, que tem um árduo trabalho de julgar o próximo”, ressalta.


Concurso de Redação

O cronograma do projeto prevê o desenvolvimento do concurso nas escolas a partir de junho até 10 de agosto. As escolas participantes devem selecionar as cinco melhores redações que vão representar a instituição na fase final de avaliação. Os professores serão os responsáveis pela abordagem das temáticas propostas e ampliação das informações, aproximando-as da realidade dos alunos por meio de exemplos e outras atividades lúdicas e pedagógicas, de demandas que eventualmente surgirem no decorrer dos debates e de conversações com os alunos em sala de aula.

O juiz coordenador de cada comarca vai estabelecer uma comissão de correção, que ficará responsável por receber e avaliar os trabalhos. As comissões serão constituídas pelo juiz coordenador do projeto e mais outros dois componentes auxiliares escolhidos pelo juiz. Os três professores mais participativos e envolvidos com o desenvolvimento do projeto também devem concorrer a premiação, diante de uma classificação geral.

Os materiais devem ser entregues, no período entre 15 até 30 de agosto, em Porto Velho e também nas comarcas do interior de Rondônia. A divulgação dos resultados da Categoria ALUNO está prevista para acontecer entre 16 e 20 de setembro; a Categoria Escola/Professor Orientador tem a divulgação dos resultados prevista para os dias 07 e 11 de outubro. Os alunos vencedores serão premiados entre 23 e 30 de setembro, já as Escolas e os professores, terão a cerimônia de premiação no dia 18 de outubro.

O Concurso é promovido pela Ameron em parceria com a Emeron, Ciclo Cairu, Supermercados Irmãos Gonçalves e Secretaria Estadual de Educação.

Fonte: Assessoria de Comunicação - TJ/RO

comments powered by Disqus