postado em: 11/12/17 as 12:04, atualizado em: 12/12/17


Assembleia Geral apresenta resumo das atividades desenvolvidas em 2017


Seguindo o rito previsto em Estatuto, a presidência da Ameron convocou na última sexta-feira (8), assembleia geral para tomar conhecimento das realizações sociais do período. Na reunião, o presidente da Ameron desembargador Alexandre Miguel, apontou inúmeros benefícios obtidos ao longo do ano junto à administração do TJRO.

Ao longo do ano de 2017, a Ameron se empenhou em lutar pelos direitos dos magistrados, como é o caso do pedido de pagamento do auxílio-moradia retroativo autorizado pelo CNJ e não contemplava 8 associados e pensionistas que tem esse direito; a instituição da Comissão de Prerrogativas dos Magistrados; a solicitação de pagamento de indenização de férias não gozadas para 37 magistrados que possuíam o acumulo superior a dois períodos, sem incidência de imposto de renda e a reivindicação da realização de projeto piloto ao Plantão Judicial e Audiência de Custódia buscando evitar a sobrecarga de trabalho dos juízes, principalmente os de 1ª entrância que se prejudicam por serem os únicos juízes da comarca a ficarem em plantão diurnamente aos sábados domingos, dias santos e feriados sem o necessário direito de se desligar do trabalho, cuidando especialmente para que as promoções não ficassem paralisadas, dando ênfase também para a necessidade de reformas de vários prédios dos fóruns da capital e interior.

Um relatório com as principais ações desenvolvidas pela Associação foi apresentado aos magistrados participantes da reunião. O documento apresentava informações sobre investimentos feitos para a melhoria na infraestrutura das sedes sociais de Porto Velho e Ji-Paraná, além de fotografias dos principais equipamentos adquiridos e o resumo de atividades recreativas, culturais e sociais promovidas pela Ameron.

Para o presidente da Ameron, desembargador Alexandre Miguel, essa conduta em dialogar e apresentar as ações desenvolvidas para atender aos interesses dos associados representa, “um caminho de prosperidade no sentido de assegurar a modernização da instituição e o cumprimento de objetivos comuns por meio do trabalho. A consolidação das instituições democráticas só é possível quando há diálogo entre seus representantes. O associativismo é uma maneira de proteger contra possíveis violações aquilo que é de direito assegurado. É por isso que a Ameron encorpa a luta pela valorização da magistratura, pois estamos cientes do compromisso em levar a prestação jurisdicional com base no ordenamento jurídico. Atentar contra o direito do magistrado é atentar contra as garantias da sociedade”, finaliza.

Além do presidente da Ameron, desembargador Alexandre Miguel também participaram da assembleia geral os juízes: Áureo Virgílio Queiroz, Tânia Mara Guirro, José Torres Ferreira, Rosemeire Conceição dos Santos Pereira de Souza, Fabiano Pegoraro Franco, Inês Moreira da Costa, Raduan Miguel Filho, Valdeci Castellar Citon, Marcos Alaor Diniz Grangeia, Lucas Niero Flores, Johnny Gustavo Clemes, Oudivanil de Marins, Paulo Kiyochi Mori, Jaires Taves Barreto, João Adalberto Castro Alves, Roosevelt Queiroz Costa, Duilia Sgrott Reis, Marcelo Tramontini, Francisco Borges, Simone de Melo, Guilherme Ribeiro Baldan e Maxulene de Sousa Freitas.

Fonte: Assessoria de Comunicação - Ameron

comments powered by Disqus